ESTÁDIO NICOLAU ALAYON É TOMBADO, APÓS 14 ANOS DE ESPERA
 
 
Assim como fazia contra os zagueiros o habilidoso Passarinho, maior ídolo da história do Nacional Atlético Clube e artilheiro do Campeonato Paulista de 1945, o estádio Nicolau Alayon vinha driblando as empreiteiras na Barra Funda. Até que venceu.
 
Desde 29 de novembro de 2017, o estádio localizado em terreno valorizado na rua Comendador Souza, casa do Nacional desde que foi erguido em 1938, teve a sua arquibancada coberta e o gramado tombados pelo Conpresp, conselho de patrimônio municipal. O processo corria desde 2003, e foi definido por votação no órgão no final de outubro.
 
A função do tombamento é impedir que o local seja alvo de modificações radicais ou destruição. O principal argumento que levou ao voto positivo foi o da relevância do estádio para a memória do futebol paulista do começo do século 20.
 
O Nacional foi fundado oficialmente em 1919 por funcionários da São Paulo Railway Company, a empresa controlada por ingleses e que foi responsável pela primeira ferrovia construída no Estado, que ligava Santos a Jundiaí, passando também por Cubatão, Paranapiacaba, Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, Mauá e São Caetano do Sul.
 
Inclusive, o Nacional adota esse nome apenas a partir de 1947, com a nacionalização da estrada de ferro. Antes disso, chamava-se São Paulo Railway Athletic Club.
 
Desde o nascimento, o clube teve identidade operária, contando com ferroviários entre seus atletas e torcedores.
 
Na decisão, o Conpresp tombou a arquibancada e o gramado, que não pode ser retirado de onde sempre esteve: vizinho à estrada de ferro da São Paulo Railway. Diferentemente do Alayon, a maior parte dos campos paulistanos foi instalada nas várzeas de rios.
 
"Esse estádio é o último testemunho de uma lógica tradicional de organização de clubes operários, funcionando em uma antiga área fabril, complementar às vilas operárias. Além disso, a arquibancada é típica dos primeiros estádios do Brasil. Antes disso, na origem dos campos, as pessoas apenas ficavam ao redor do gramado", diz Mariana Rolim, diretora do Departamento de Patrimônio Histórico e membro do Conpresp.
 
Primo de clubes como Palestra Itália (1914), Corinthians (1910) e Juventus (1924), , com quem trava o sempre incendiado clássico "JuveNal"– o Nacional viu os investimentos minguarem depois que a São Paulo Railway saiu da mão dos ingleses. Por isso, não deu o salto da popularização como os dois campeões brasileiros mais recentes.
 
Mais antigo que Pacaembu (1940) e Morumbi (1960), o Alayon remete a tempos talvez mais democráticos do ludopédio nacional.
 
"Na Arena Corinthians e no Allianz Parque vemos uma gentrificação tremenda e um branqueamento da torcida com a eliminação dos espaços dos setores populares. O tombamento protege um espaço de memória que sobrevive a essa modernização excludente", diz Flávio de Campos, professor de História da Universidade de São Paulo e coordenador do Ludens, núcleo de pesquisas sobre esportes.
 
Atualmente, o Nacional vive boa fase nos gramados e disputará a Serie A-2 do Campeonato Paulista em 2018, quando enfrentará, a partir de janeiro, times também tradicionais como Portuguesa, Guarani, XV de Piracicaba. E o própio Juventus.
 
Ayrton Santiago, presidente do Nacional "por mais de 40 anos", somando passagens diferentes, afirma que o campo ficará "eternamente" onde está tal como determina o tombamento, independentemente das dificuldades financeiras e da tentação das ofertas que se amontoaram ao longo das décadas.
 
"Jamais será vendido. Podemos aproveitar outras áreas da sede e fazer um grande empreendimento que ajude o clube, mas o Nicolau Alayon nunca sairá de lá."
 
 
 
www.folha.uol.com.br
Assim como fazia contra os zagueiros o habilidoso Passarinho, maior ídolo da história do Nacional Atlético Clube e artilheiro do Campeonato Paulista de 1945, o estádio Nicolau Alayon vinha driblando as empreiteiras na Barra Funda. Até que venceu.
 
Desde 29 de novembro de 2017, o estádio localizado em terreno valorizado na rua Comendador Souza, casa do Nacional desde que foi erguido em 1938, teve a sua arquibancada coberta e o gramado tombados pelo Conpresp, conselho de patrimônio municipal. O processo corria desde 2003, e foi definido por votação no órgão no final de outubro.
 
A função do tombamento é impedir que o local seja alvo de modificações radicais ou destruição. O principal argumento que levou ao voto positivo foi o da relevância do estádio para a memória do futebol paulista do começo do século 20.
 
O Nacional foi fundado oficialmente em 1919 por funcionários da São Paulo Railway Company, a empresa controlada por ingleses e que foi responsável pela primeira ferrovia construída no Estado, que ligava Santos a Jundiaí, passando também por Cubatão, Paranapiacaba, Rio Grande da Serra, Ribeirão Pires, Mauá e São Caetano do Sul.
 
Inclusive, o Nacional adota esse nome apenas a partir de 1947, com a nacionalização da estrada de ferro. Antes disso, chamava-se São Paulo Railway Athletic Club.
 
Desde o nascimento, o clube teve identidade operária, contando com ferroviários entre seus atletas e torcedores.
 
Na decisão, o Conpresp tombou a arquibancada e o gramado, que não pode ser retirado de onde sempre esteve: vizinho à estrada de ferro da São Paulo Railway. Diferentemente do Alayon, a maior parte dos campos paulistanos foi instalada nas várzeas de rios.
 
"Esse estádio é o último testemunho de uma lógica tradicional de organização de clubes operários, funcionando em uma antiga área fabril, complementar às vilas operárias. Além disso, a arquibancada é típica dos primeiros estádios do Brasil. Antes disso, na origem dos campos, as pessoas apenas ficavam ao redor do gramado", diz Mariana Rolim, diretora do Departamento de Patrimônio Histórico e membro do Conpresp.
 
Primo de clubes como Palestra Itália (1914), Corinthians (1910) e Juventus (1924), , com quem trava o sempre incendiado clássico "JuveNal"– o Nacional viu os investimentos minguarem depois que a São Paulo Railway saiu da mão dos ingleses. Por isso, não deu o salto da popularização como os dois campeões brasileiros mais recentes.
 
Mais antigo que Pacaembu (1940) e Morumbi (1960), o Alayon remete a tempos talvez mais democráticos do ludopédio nacional.
 
"Na Arena Corinthians e no Allianz Parque vemos uma gentrificação tremenda e um branqueamento da torcida com a eliminação dos espaços dos setores populares. O tombamento protege um espaço de memória que sobrevive a essa modernização excludente", diz Flávio de Campos, professor de História da Universidade de São Paulo e coordenador do Ludens, núcleo de pesquisas sobre esportes.
 
Atualmente, o Nacional vive boa fase nos gramados e disputará a Serie A-2 do Campeonato Paulista em 2018, quando enfrentará, a partir de janeiro, times também tradicionais como Portuguesa, Guarani, XV de Piracicaba. E o própio Juventus.
 
Ayrton Santiago, presidente do Nacional "por mais de 40 anos", somando passagens diferentes, afirma que o campo ficará "eternamente" onde está tal como determina o tombamento, independentemente das dificuldades financeiras e da tentação das ofertas que se amontoaram ao longo das décadas.
 
"Jamais será vendido. Podemos aproveitar outras áreas da sede e fazer um grande empreendimento que ajude o clube, mas o Nicolau Alayon nunca sairá de lá."
 

Bem-vindo ao nosso site

Este "site" foi criado para que todos os simpatizantes do Nacional AC, fiquem atualizados quanto as noticias e novidades do dia-a-dia do Futebol do Naça.

 

          "ALMANAC-TORCIDA ALMA NACIONAL"

                 

           

 

 

  NACIONAL, CAMPEÃO DA 2ª DIVISÃO 2014
           
 
 
 
NACIONAL CAMPEAO DA SERIE A-3 2017

Galeria de Fotos: Página inicial

Galeria de Fotos: Página inicial

A galeria de fotos está vazia.

Enquete

BLÁ BLÁ BLÁ

SIM (92)
62%

NAO (56)
38%

Total de votos: 148

Novidades

COMEÇA O RETURNO, E O NAÇA AINDA NÃO PONTUA.

19/06/2011 17:53
Jogando pela 8ª rodada, do Campeonato Paulista da 2ª Divisão, o Nacional conheceu a sua 8ª derrota consecutiva, frente ao Jabaquara ( Santos ), no Estádio Espanha.Logo ao 1º minuto de Jogo, o meia Oliveira, fez 1 x 0 para o Nacional, onde durante todo os 45 minutos iniciais, time comandado por...

FIM DO 1º TURNO, E OUTRA DERROTA

11/06/2011 15:18
O Nacional termina o 1º turno da 1ª fase, com uma campanha terrível, sete jogos, sete derrotas. E para piorar no julgamento do TJD de 08/06, perdeu 3 pontos, por usar jogador irregular na partida do dia 14/05 contra a Port Santista. No grupo 6 tem agora (-3) tres pontos negativos, é a pior equipe...

NACIONAL TROCA TREINADOR, MAS CONTINUA SEM VENCER

04/06/2011 19:22
Nacional muda o treinador ( Tulio Tangione que era o Supervisor de Futebol, assumiu o comando técnico da equipe no lugar de Nogueira Junior, que voltou para as categorias de base, onde começa o trabalho para montagem da equipe para Copa São Paulo Jr 2012 ), mas o time ainda não se acertou com os...

O MARTÍRIO CONTINUA. OUTRO JOGO...OUTRA DERROTA

28/05/2011 11:32
 Ainda sem vencer no Campeonato Paulista da Segunda Divisão, Palestra de São Bernardo e Nacional se enfrentaram no estádio Baetão, em São Bernardo do Campo, na abertura da 5ª rodada do Campeonato Paulista da Segunda Divisão e o time do Palestra venceu por 2 a 1, conquistando seus três...

NACIONAL É GOLEADO, E SEGUE NA LANTERNA

22/05/2011 13:23
Jogando na Cidade de São Vicente, no Estádio Mansueto Pieroti, o Nacional foi goleado, pelo Sao Vicente AC por 4 x 2, em jogo da 4ª rodada do Campeonato Paulista da 2ª divisão, e segue sem pontuar no grupo 6. Logo aos 4 minutos do primeiro tempo, Anderson abriu o placar para o time da casa. Mas a...

NACIONAL SEGUE ROTINA, E PERDE MAIS UMA

14/05/2011 19:04
 Em jogo válido pelo Campeonato Paulista da 2ª Divisão, realizado no Estádio Nicolau Alayon, o Nacional perdeu para a AA Portuguesa Santista por 2 x 0 neste sábado ( 14/05 ).   Na primeira etapa, apesar de maior posse de bola, o Nacional não soube transformar em gols, o dominio da...

NACIONAL NÃO SE ACERTA, E SOFRE 2ª DERROTA

07/05/2011 14:16
Em jogo válido pela segunda rodada da 2ª divisão do Campeonato Paulista, o Nacional perdeu por 3 x 0 para o E C São Bernardo, em jogo realizado no estádio Baetão na noite desta sexta-feira (6)..  Depois de estrear com vitória, o São Bernardo aproveitou o mando de campo para exercer pressão na...

NACIONAL ESTRÉIA MAL, E PERDE PARA O JABAQUARA

01/05/2011 13:55
Em jogo válido pela rodada de abertura do Campeonato Paulista da Segunda Divisão, o Jabaquara venceu o Nacional no Estádio Nicolau Alayon , por 3 a 1,e saiu na frente pela liderança do Grupo 06. A partida começou equilibrada, com as duas equipes jogando ofensivamente. O Jabaquara chegava com mais...

NACIONAL vai de em técnico da Copa São Paulo em busca do acesso

16/04/2011 14:29
Depois de chegar perto do acesso no ano passado, o Nacional vai tentar realizar outra boa campanha no Campeonato Paulista da Segunda Divisão deste ano e voltar para a Série A3. Para isso, a diretoria aposta no técnico Nogueira Júnior, que realizou uma boa Copa São Paulo de Futebol Júnior...

SEGUNDONA 2011 VEM AÍ....NACIONAL ESTÁ NO GRUPO 6

08/03/2011 18:59
        Vai começar o Campeonato Paulista da 2ª divisão, O Nacional está no grupo 6, ao lado de Palestra ( São Bernardo ), Jabaquara   ( Santos ) Portuguesa Santista ( Santos ), São Vicente ( São Vicente ), Mauaense ( Mauá ) e  São Bernardo ( São Bernardo...
Itens: 311 - 320 de 320
<< 28 | 29 | 30 | 31 | 32